quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Laboratório de Práticas de Ensino de Filosofia-LPEF/CEJA


O Subprojeto PIBID Filosofia do Campus Caicó-CaC da UERN com atuação no Centro Educacional José Augusto – CEJA realiza em 2017 as atividades do Laboratório de Práticas de Ensino de Filosofia-LPEF. No dia 22 de Agosto de 2017 aconteceu a décima quarta intervenção na turma do 3º Ano A, do turno Matutino. A atividade foi conduzida pelo bolsista Diego Vinícius Brito dos Santos e supervisionada pela professora Serjane de Queiroz Vale. No primeiro momento, o tutor realizou o registro de frequência e recolheu o exercício passado na aula anterior. Logo após, deu-se início a uma recapitulação da aula anterior. No segundo momento, com o uso do retroprojetor, e com o auxílio de slides, deu-se a colocação do conteúdo. Partiu-se da exposição da filosofia de Hannah Arendt (1906-1975), expondo os eixos filosóficos do pensamento da referida, tais como: a política; a responsabilidade individual; e a banalização do mal. No entanto, foi dado maior ênfase em sua crítica ao totalitarismo. Logo em seguida, se expôs a obra “Eichmann em Jerusalém: 50 anos depois”. Tal obra proporcionou que o tutor, junto aos alunos, refletisse sobre duas questões importantes sobre, além dos temas expostos anteriormente, a condição humana e a capacidade de distinguir entre o certo e o errado, o bem e o mal, o belo e o feio. Diante dos temas, foi problematizado uma importante questão filosófica colocada por Hannah: “Como podem as pessoas consentir com a negação de sua própria liberdade, suportando e até apoiando esse tipo de regime político?”. Com a colocação da questão-problema, os alunos começaram a questionar e levantar hipóteses pertinentes. Foi um autêntico momento de reflexão filosófica. Diante das colocações dos alunos, o tutor procurou não conceituar ou responder a questão, deixando a mesma, ainda sem uma resposta definida, para que os alunos percebessem, ainda mais as questões filosóficas por trás da questão colocada por Hannah, o tutor utilizou um fragmento do filme Hannah Arendt (2013), dirigido por Margarethe von Trotta, em particular um fragmento em que Hannah expõe suas considerações sobre o julgamento de Adolf Eichmann, evidenciando sua pretensão de entender os fatores que o levaram a cometer aqueles atos e afirmar que se sentia inocente pois estava apenas “Cumprindo ordens”. Aparentemente, Hannah ver que o homem julgado perdeu aquela essência que torna o homem distinto do animal: A capacidade de pensar! De colocar em questão a capacidade de refletir sobre o certo e o errado. Após a exposição do fragmento, que despertou nos alunos indagações e questionamentos, o tutor, tendo em vista o final da aula, pediu-lhes que dissertassem, em casa, sobre a questão colocada por Hannah: Como podem as pessoas consentir com a negação de sua própria liberdade, suportando e até apoiando esse tipo de regime político? E após este momento, o tutor deu a aula por encerrada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

  III Seminário Ensinar e Aprender na Educação Básica “Que fazer, enquanto educadores, trabalhando num contexto assim? Há mesmo o que fazer?...